domingo, 5 de março de 2017

Geleia no verão


Ela ficou na cama o dia inteiro, ouvindo a chuvinha de verão bater na sua janela, assistiu alguns filmes enrolada nas cobertas, depois leu algumas páginas do seu livro de cabeceira. Levantou e já passava das quatro da tarde, se olhou no espelho para praguejar sobre uma espinha no queixo. Estava radiante, todos diziam que aqueles meses a fizeram bem, seus cabelos estavam pretos, suas pernas longas estavam definidas e havia tomado sol de verão. O que ninguém sabia era que estava despedaçada por dentro. 
Pensou em vestir um shorts, desistiu, ficou só de calcinha e com uma camiseta que quase ia aos joelhos. Fez um coque no alto da cabeça, foi para o banheiro lavou o rosto, escovou os dentes e encarou de novo a espinha, mentalmente agradeceu por não ter que sair de casa e nem precisar passar corretivo (Padrões fúteis de beleza). Colocou os óculos de armação pretos, sua miopia beirava os 5 graus, se sentiu triste por não enxergar como todo mundo. 
Saiu andando descalça em passos lentos para a cozinha, fez pão na frigideira e chá mate. Tentou sem sucesso abrir o pote de geleia de framboesa, não conseguiu... Se sentiu fraca... Ficou com vontade de chorar, não tinha ninguém em casa para abrir para ela, estava sozinha... De repente teve uma súbita crise de riso, era tão idiota sentir vontade de chorar por não conseguir abrir um pote de geleia, ela se sentiu boba. Maldita TPM. 
Comeu em silêncio. Cansou do silêncio. Resolveu colocar música. Silva começou a tocar. "Eu sempre quis dizer" invadiu a cozinha. Ela gostava dessa música, lembrava do dia que um alguém tinha cantado para ela em seus ouvidos, foi em 2015, 4 dias depois do seu aniversário. Eles eram amigos e na época ela muito burra não entendeu nada (Lerda). Deu um sorriso pequeno e agradeceu por ele ter esperado pacientemente por um ano para que ela entendesse o que aquilo significava. 
Talvez se ela ligasse para ele agora, certamente ele poderia vir abrir o pote de geleia para ela, mas achou melhor aprender a abri-lo sozinha. Respirou fundo, comeu o pão torrado com manteiga mesmo e mandou uma mensagem por whatsapp dizendo: "Querer não é amar, mas é sempre um bom começo..." Ele pareceu chocado e respondeu: "Eu quis tanto ter você, quando você não me quis, e agora a gente é feliz e ponto". Ela acha que Silva virou trilha sonora oficial da história dos dois... Não sabe se ri ou se chora. Ela coloca a culpa na TPM e não no coração partido.  

5 comentários:

  1. Ah, que texto mais fofo ♥ Deu até vontade de viver um romance assim, haha!

    ResponderExcluir
  2. Oe!
    Eu amei o texto e eu amei o blog. Obrigada.
    Essa menina me lembrou eu mesma em alguns momentos. Bom gosto musical ela tem hein hahaha que amorzinho os dois!
    Enfim, amei, só pra deixar claro. E o título foi muito bom.
    Beijos
    Se Esse Mundo Fosse Meu

    ResponderExcluir
  3. Que texto lindo! Eu imaginei cada cena contada. E poxa, a moça é lerda, será que não dá pro moço dá um desconto e tentar de novo? ♥

    Com carinho,
    Conto Paulistano.

    ResponderExcluir
  4. melhor texto que eu ja li na blogosfera, me pensar que eu estou passando nessa fase, estou facinada pelas sua publicação <3 e sim Silva tambem roubou meu coração

    http://dosedestrelas.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. melhor texto que eu ja li na blogosfera, me pensar que eu estou passando nessa fase, estou facinada pelas sua publicação <3 e sim Silva tambem roubou meu coração

    http://dosedestrelas.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Bem-vindos ao Janela Dela! Obrigada por escrever seu comentário e por dividir comigo as visões de suas janelas. Deixe seu blog, assim retribuirei sua visitinha (: