Mostrando postagens com marcador Leituras. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Leituras. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 16 de maio de 2016

Coisinhas da semana: Fotos, músicas e livros...

As vezes acho engraçado a minha capacidade em sumir do blog, mesmo com várias postagens prontas salvadas no rascunho, alguém consegue entender isso? É um mistério que eu mesmo tento compreender e nunca encontrei respostas e o mais engraçado é que eu simplesmente poderia publicar alguma postagem pronta no lugar de escrever coisas aleatórias como estou fazendo agora!

Resolvi apenas passar aqui para falar de do que andei fazendo, ouvindo e lendo nos últimos dias.
Essa semana tentei organizar as milhares de fotos da minha viagem para revelar, mas está difícil escolher quais quero imprimir, não sou uma pessoa muito objetiva e quero revelar tudo... Para registrar isso vou deixar uma fotinha aqui que gosto muito, foi de um dia que eu tenho boas lembranças!


Agora falando de músicas andei escutando duas bandas principalmente, conheci Dingo Bells recentemente e eu e meu irmão estamos viciados em ouvir o álbum deles sem parar e quando digo sem parar é sem parar mesmo, de chegar a enjoar. Eles são muito bons e é impossível não se identificar com as críticas das letras!


Amo as letras e as músicas de forma geral. Vou deixar aqui o link para o álbum completo (dá para baixar gratuitamente todas as músicas no site oficial da banda aqui ó) e para quem quiser curti uma musiquinha deles segue um vídeo abaixo:



Ainda falando sobre música também ouvi muito nessa última semana Esperanza (basicamente enquanto eu não ouvia Dingo Bells estava ouvindo os caras que chamavam Sabonetes e mudaram o nome da banda para Esperanza em 2013) gosto pakas deles e resolvi ressuscitar um álbum deles de 2015 que chama "Z" e na minha opinião está bem diferente do penúltimo que eu gostava também, o "Z" que é o CD de 2015 tá um pop bem tranquilinho, com músicas numa vibe boa, muito meu estilo. CD completo aqui e vou deixar uma das músicas aqui em baixo.



Sobre o que andei lendo nos últimos dias. Foi um romance histórico da Maria Dueñas, que é uma escritora espanhola que eu gosto muito e super recomendo. Ela super mistura história com ficção e eu adoro isso, fora que seus livros sempre conta com bom enredo e bons protagonistas. O que me irritou nesse livro em particular foi a capa, quem vê e não conhece o estilo de escrita da autora pensa que o livro é apenas um romancinho, e a Dueñas sempre foca mais na história dos personagens, no amadurecimento dos mesmos e na luta de sobrevivência deles e menos no amor, então a capa pode soar um pouco enganosa... (Quem sabe eu não animo de fazer resenha...)


E agora estou lendo o louco e amado livro do Oswald de Andrade, que é uma versão linda de capa dura que paguei numa promoção 6 reais e 90 centavos e ainda não acredito. Porque ele é muito bonito, ilustrado e um clássico moderno (essa frase foi paradoxal eu sei, mas ele é uma relíquia). Ainda não sei o que falar sobre, porque é um livro super experimental e está sendo uma experiência bem bacana lê-lo. Basicamente se resume em um diário que ia sendo preenchido com trocadilhos, desenhos, notícias de jornal, piadas e gracejos pelos visitantes da garçonnière de Oswald. É muito  muito peculiar e legal ao mesmo tempo.


Bom, é isso! Vou tentar criar vergonha na cara e começar a programar os posts que estão no rascunho! E tentar fazer mais posts assim sobre coisas aleatórias!

domingo, 10 de janeiro de 2016

Os 3 "Poetas Ms" da minha vida


Eu sempre gostei de poesia, num tempo distante quando era ainda uma garotinha sonhava com o dia que um príncipe encantado iria declamar uma poesia para mim ( hahaha inocente). Eu cresci, comecei a escrever poemas, depois prosas poéticas, participei de concursos, desabafei sobre os amores mal vividos, depois escrevi para um livro de coletâneas de poetas amadores como eu, o tempo passou e as poesias ficaram de lado, a escrita enferrujada, as rimas evaporaram e eu larguei mão, a poeta que existiu dentro de mim por algum motivo se aposentou.  
Todo esse desabafo aí em cima é descontextualizado mesmo e eu nem deveria ter escrito, só escrevi porque deu vontade ( bizarro eu sei, nem tente entender). Mesmo deixando de escrever, sempre continuei a ler e apreciar poesia, lembro com se fosse ontem quando deixei de ser a garotinha inocente que gostava só dos versos românticos e descobri outros tipos de poesia que hoje são os meus preferidos. Descobri a poesia do cotidiano, a poesia política, a poesia que você lê e se apaixona sem estar apaixonado.
Descobrir os modernistas e a Semana de Arte Moderna, foi uma revolução na minha vida! Ler Mário de Andrade, Oswaldo de Andrade, foi conhecer a liberdade, a escrita criativa. Foi nessa época estudando Mário de Andrade que descobri o seu amigo Manuel Bandeira e assim a minha paixão pelos poetas apelidados por mim de "Poetas M." começou.


Me apaixonei primeiro por Manuel Bandeira, e por incrível que pareça o primeiro livro que eu li dele é ainda o meu preferido "Libertinagem". Manuel chegou chegando na minha vida, me deixou tão encantada que por dias no lugar de estudar para as milhares de provas que eu tinha na época, só ficava no sofá lendo poesia e quando eu gostava muito de uma e ia ler para outra pessoa, sempre ganhava uma careta do tipo "Por quê você está lendo isso? É tão nada a ver". Mas acho que as pessoas não conseguem entender a poesia dele, a poesia revolucionária para época, a poesia que derrubou os rótulos, que falou sobre o cotidiano e disse muito mais do que qualquer Parnasiano que se diziam escrever as "melhores" e as mais rebuscadas poesias.


Depois de Manuel Bandeira, apareceu diferentemente dele, super de mansinho o senhor Mário Quintana, quando vi estava amando suas poesias. Acho que de todos os poetas que já li, Mário Quintana é o que mais sei poesias de cor e o que eu guardo maior carinho e uma coleção imensa de poesia preferidas. Tudo começou com "Canção de Garoa" eu estava na sexta série  e declamei ela em uma jogral, mal sabia que anos mais tarde seria uma fanática por ler e escrever em posts its coloridos as poesias dele. Amor puro <3 Fora que Mário além de escrever lindamente era um homem cheio de humor, sensibilidade que eu queria ter conhecido.


E por último e não menos importante veio o Terceiro M da minha vida:  Manuel de Barros, com toda a delicadeza, falando sobre infância, sobre o cotidiano, sobre as sutilezas da vida, como não se apaixonar? Acho que quando nós crescemos começamos a dar mais valor as pequenas coisas né? Pelo menos eu mesma comecei a valorizar a sua poesia, quando comecei a crescer, a pouquíssimo tempo, por isso meu amor por ele é jovem e ainda imaturo, mas está sendo aprofundado a cada novo poema lido.
Bom, uma professora que eu tive ainda no ensino fundamental me disse que se sabe muito sobre uma pessoa se você sabe quais os poetas que ela mais gosta, se isso for verdade, vocês já sabem muito sobre mim! Os meus preferidos são os Maravilhosos poetas, o trio charmoso que começa seus nomes com M, M de Manuel Bandeira, M de Mário Quintana e M de Manuel Barros. Se você não gosta de poesia dê uma chance, elas dizem mais do que você lê no imediato! Se não leu nenhum poeta e quer começar a ler, recomendo começar pelo Mário Quintana <3


Se você tentar ler e não gostar de nenhum dos "Poetas M", não desanime, existe uma infinidade de possibilidades.
Gosto também do Leminski, do Drummond, Pablo Neruda, Alphonsus de Guimaraens, Cruz e Souza e os seus amigos do simbolismo, Augusto dos Anjos, Fernando Pessoa e seus Heterônimos, Vinicius de Moraes, Cora Coralina e Adélia Prado (Mas isso é assunto de outro post). Tente algum desses ou outros que você conheça, dê uma chance! Certeza que pelo menos um você vai se identificar, porque para mim poesia é exatamente isso, a arte de sentir exatamente aquilo que o poeta escreveu e por isso a identificação ou a vontade de se permitir identificar é tão importante, acredito que se identificar é o mal e o bem necessário ao leitor de poesia. Se permita! E deixe sua vida ser uma poesia também!

sábado, 31 de outubro de 2015

Livro "A ignorância" Milan Kundera


Gosto muito de Milan Kundera, meu amor pelos livros dele começou com "A insustentável leveza do ser", lembro que quando o li foi aquela leitura catastrófica de precisar respirar várias vezes pós leitura e de precisar refletir e digerir cada partezinha que lia. Acho que o livro teve um impacto maior na minha vida porque na época estava lendo para a faculdade a "Genealogia da moral" do Nietzsche e tive a sensação que o Milan utilizou na ficção muito do pensamento do filósofo alemão. O tempo passou e gostei tanto da "A insustentável leveza do ser" que resolvi que queria ler outros livros do Kundera, foi quando ganhei uma versão linda em capa dura do livro "A festa da insignificância" um dos livros dele mais recentes. A leitura desse livro foi tão reflexiva quanto a primeira, achei ela pesada, difícil de digerir (mesmo tendo sido mascarada com uma linguagem leve), mas muito boa, não tão boa quanto o primeiro livro que ainda é o meu preferido, mas boa o suficiente para eu dizer que gostei.  

O tempo passou e comecei a ler "A Ignorância", me identifiquei para caramba com esse livro, sou uma pessoa muito nostálgica, nem precisa conviver muito comigo para saber disso, aqueles que me conhecem razoavelmente sabe do quanto sofro do mal da nostalgia. E "A Ignorância" trata disso, desse sentimento tão recorrente ou não na vida das pessoas... Foi uma das leituras desse ano que mais me fez refletir. 
Gosto do Kundera porque ele tem aquela linguagem própria de escrever pensamentos filosóficos em ficção, de escrever coisas pesadas de forma leve, de fazer você pensar em cada parágrafo escrito, de misturar história e problemas sociais com romance e por fim o admiro devido sua grande habilidade em escrever sobre os sentimentos humanos.
Vim falar de "A ignorância" porque sempre que leio um livro do Milan quero falar com todo mundo sobre a história, sobre as minhas reflexões, sobre o que eu entendi do livro em si e etc... E com essa leitura especifica, enfrento um dilema, não consigo falar se gostei do livro ou não... Fiquei muito chateada com o final, os finais do Kundera sempre me incomodam, mas esse se superou. O livro estava perfeito, por que um final como esse? Ainda não consegui digeri-lo e quis simplesmente desabafar...
Para quem nunca ouviu falar sobre " A ignorância" vou deixar a sinopse aqui em baixo, se alguém se interessar e quiser ler, depois venha trocar ideias comigo:

"Namorados de adolescência, Josef e Irena passam vinte anos longe de sua terra natal, ele vivendo na Dinamarca, ela em Paris. Irena reencontra Josef por acaso no aeroporto de Paris. Os dois decidem retornar a Praga, reerguida segundo as regras capitalistas depois da queda dos regimes comunistas do Leste Europeu, em 1989. Em comum, eles têm uma história de exílio e um sentimento profundamente nostálgico em relação à paisagem tcheca. Reviver essa relação de amor significa refazer todo o percurso da separação. 
Neste romance sobre a memória, Milan Kundera subverte a noção de nostalgia. O escritor relembra a etimologia da palavra, que em sua origem grega remete ao “sofrimento causado pelo desejo irrealizado de retornar”. Esse sentimento liga-se também à ignorância: só há nostalgia daquilo de que não temos mais notícia. "

(Se alguém aí sofre de nostalgia, se identificou tanto quanto eu? Porque essa definição simplesmente resumiu o que sinto)

Quem nunca leu Milan Kundera dê uma chance para ele, são leituras que gostando ou não nos faz refletir muito, vale a tentativa e a experiência... E quem não gosta de ler mas curte filmes antigos, tem uma versão cinematográfica de "A insustentável leveza do ser" super antigaaaa que eu não assisti ainda, mas preciso assistir, (há criticas bem negativas  sobre o filme em relação a adaptação, mas também a criticas positivas, então é ainda uma incógnita para mim) segue o trailer:

quinta-feira, 31 de julho de 2014

Resenha: Sussurro- Becca Fitzpatrick

 Este post faz parte da tag Tirando do baú


Essa resenha é muito antiga, a escrevi a mais de um ano, se não me engano em meados de janeiro de 2013, nem ia postá-la, mas foi extremamente tentador ver o post prontinho arquivado com todas as fotos... Por isso resolvi postar. Minha opinião mudou muito e no final dá resenha vou contar o que achei da continuação. Espero que gostem (:


Sempre tenho um pé atrás com livros que envolvem seres sobrenaturais (odeio aquelas histórias forçadas com coisas muito impossíveis e viajadas de acontecer) e também evito ler séries que tem mais de três livros (porque geralmente elas me decepcionam com páginas e mais páginas de pura enrolação). Então podemos dizer que Sussurro, primeiro livro da trilogia Hush, Hush tinha tudo para me desapontar, porém ele até que me surpreendeu.
Comecei a ler sabendo apenas que a história envolvia anjos e anjos caídos. E garanto a vocês que foi incrível a sensação de curiosidade que me invadiu durante a leitura do primeiro livro. Contamos com uma narrativa baseada em suspense, que vai desenrolando de uma forma misteriosa e vai conquistando pouco a pouco.


Nora a narradora e protagonista é uma menina autêntica, inteligente. Vive com sua mãe em um casarão obscuro e para muitos mal assombrado, sua vida é aparentemente uma vida normal, está no colegial, tem uma melhor amiga chamada Vee e tudo parece perfeito... Até que ela foi obrigada por seu professor a se sentar nas aulas de biologia do lado de Patch, um misterioso e bonito menino que começou a mexer com os nervos dela. E depois que Patch aparece em sua vida vão ocorrendo uma série de coisas misteriosas, Nora se sente perseguida e vigiada por seres inexplicáveis e fatos totalmente inusitados vão ocorrendo, que eu não contarei porque seriam spoilers. Por fim os acontecimentos vão ocorrendo junto com a história e nos deixam curiosos para saber o desenrolar da narrativa e o que acontecerá com os personagens.


Existem alguns pontos positivos no livro que eu gostaria de enfatizar, Nora não é uma protagonista idiota, aparentemente é bem autêntica e decidida e o romance não é muito água com açúcar. Estou curiosa e ansiosa para a sequência e espero que seja tão boa quanto esse livro. Alguém já leu a série? Gostou?


Agora a opinião da Bianca de hoje: Não li a série inteira, parei na metade do terceiro livro, fiquei extremamente arrependida de ter achado a Nora autêntica no primeiro livro. Não sei o que aconteceu, mas para mim a história começou a ficar irritante, forçada e o que mais me incomodou foi as crises de ciúmes e neuras da Nora, como ela conseguiu ser tão forte no primeiro livro e infantil logo em seguida? Fiquei sem paciência e abandonei... (E olha que abandonar um livro é uma coisa muito difícil de acontecer comigo).


Fiquei chateada porque tinha uma certeza convicta que iria adorar a história e teria a série completa nas minhas prateleiras... Fiquei pensando se o encanto acabou porque eu mudei, cresci, ou não estava em uma boa fase quando li... Sei lá... Mas acho que quem não leu deveria ler, para ver se a história funciona com você, porque cada gosto é um gosto... E mesmo porque eu gostei do Sussurro, minha resenha não tem como me fazer negar isso. A decepção veio depois mesmo... E vocês já leram? Gostaram? Discordam de mim? O que acharam?

quinta-feira, 18 de julho de 2013

Procura-se um marido- Carina Rissi


Não posso deixar de fazer meu bláhbláhbláh introdutório. Esse ano prometi que deixaria de lado meu preconceito com os livros nacionais e embarcaria em algumas leituras de autores brasileiros. E para começar a cumprir essa promessa, resolvi me aventurar com “Procura-se um Marido”. E fiquei feliz com a escolha, pois Carina Rissi e seus personagens conseguiram me surpreender.

“Procura-se um marido” é um chick lit brasileiro muito bem escrito. Lê-lo foi como se estivesse assistindo a um filme de comédia romântica, mas não um filme de sessão da Tarde e sim aqueles que as mulheres adoram: Leve, engraçado no ponto certo, com a mocinha e o mocinho apaixonados desde o começo, que te fazem dar altas gargalhadas.


A narrativa conta a vida da protagonista Alicia, uma menina que vive em confusões, já viajou pelo mundo todo, ama baladas e tem uma vida irresponsável. Perdeu seus pais quando pequena e foi criada pelo seu avô, um rico empresário, com um patrimônio incalculável. Com a morte do vô Narciso, Alicia vê sua vida indo por água abaixo. Além de perder a única pessoa da família, que fazia papel de pai, mãe, avó, ela se devasta ao abrir o testamento e descobrir que seu avô a excluiu da herança, alegando que ela ainda era imatura para assumir os bens da família e que isso só seria possível se ela estivesse devidamente casada.
 

Alicia com seu orgulho e gênio forte se recusa a casar. Até que tem um plano maluco e anuncia no jornal a procura de um marido de aluguel. No meio de muitas confusões ela e sua amiga Mari encontram o cara certo, o problema é que Alicia acha a pessoa certa demais e sua vida muda de uma maneira surpreendente.


Alicia é uma personagem engraçada, determinada,fofa e que conquista o leitor, o único problema é que ela é muito lerda em questões em que envolve o coração ( Isso me irritou, mas afinal faz parte da maioria dos chick lit) além dela os outros personagens também foram bem construídos, principalmente Max, com os seus olhos verdes, e seu físico... Marcus com o senso de humor, Mari e Breno super amigos e conselheiros de Alicia.


A narrativa vai desenrolando tão rapidamente que quando vi já estava preste a acabar o livro. E fiquei morrendo de saudade da menina/mulher que tinha medo de tempestades, borboletas e que odiava ser chamada de “meu bem”.
Foi muito bom ir percebendo a transformação de Alicia aos poucos e ficar com gosto de quero mais. O livro me fez dar altas gargalhadas!


E sobre diagramação, fonte, espaçamento, não tenho o que reclamar. E gente convenhamos que capa magnífica é essa? Fui influenciada por ela na hora de comprar o livro e ainda bem que seu interior é tão bom quanto o exterior. Muito Amor <3
Agora quero urgentemente “Perdida” o primeiro livro da Carina!

(Por mais que eu tenha justificado minha ausência no último post, não podia deixar de dar esse recadinho:
 Fériaaas minhas tão estão esperadas férias chegaram, depois de dois meses sem postar nada, aqui estou eu tentando retomar a rotina de blogueira que eu tanto amo! Tenho uma série de resenhas para postar por aqui, espero que vocês gostem!)

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

Anna e o beijo francês- Stephanie Perkins


"Anna Oliphant tem grandes planos para seu último ano em Atlanta: sair com sua melhor amiga, Bridgette,  flertar com seus colegas no Midtown Royal 14 multiplex, assistir muitos filmes legais, iniciar um namoro com seu amigo Toph e ficar perto do seu irmão e da sua mãe. Então ela não fica muito feliz quando o pai a envia para um internato em Paris. Mesmo sendo a cidade da Luz, Anna quer ficar, onde tem um bom emprego, amigos de verdade e um quase namorado. No entanto, as coisas começam a melhorar quando ela conhece alguns novos amigos e Étienne St. Clair , um lindo garoto que tem namorada. Ele e Anna se tornam amigos muito próximos e as coisas começam a ficar infinitamente mais complicadas. Anna vai conseguir um beijo francês? Ou algumas coisas não estão destinadas a acontecer?" 



Faz muito tempo que quero falar do meu livro xodó aqui no blog, mas acho que não sei nem por onde começar. Quando comprei “Anna e o beijo francês”, foi amor à primeira vista, além da capa ter me encantado, adorei a sinopse do livro! Mas não imaginava que esse se tornaria o meu livro favorito. É o único que eu li mais de 2 vezes e lembro das cenas perfeitamente, mesmo tendo o lido pela última vez há quase 1 ano.
Gosto tanto dele, porque é simples e é a história mais real que já li, tirando o fato de ser na França, Paris! Ela é bem comum. É um romance inocente, muito doce. E Anna e seus amigos enfrentam problemas que qualquer um poderia enfrentar na vida real.


Admiro a forma que a Stephanie Perkins construiu os personagens, eles foram muito bem retratados e os secundários foram bem construído. Diferente de muitos livros de casaizinhos apaixonados, este não gira só em torno dos dois. Temos uma coleção de pessoas, contamos com Meredith carismática e apaixonada por esportes, Josh um desenhista admirável e Rashimi namorada de Josh e também uma ótima companheira, eles foram bem presentes em todo enredo e tiveram grande participação.


 Adorei a Anna apaixonada por cinema e embaralhada com o Francês. E não tenho palavras para descrever St. Clair (Chamado assim por todos, menos por Anna, que opta por chamá-lo pelo primeiro nome: Étinne), será que é possível materializar um personagem que nem ele? Se fosse gostaria de um Étinne para mim haha. Adoro o fato dele amar a matéria história, de se debruçar nos seus livros, de ter medo de altura e acima de tudo de usar blusas com estampas de bandas francesas  amarrotadas.


“Anna e o beijo Francês” retrata a vida de jovens indecisos sobre que caminho seguir, com problemas com os seus pais que insistem em dizer que só querem o melhor para eles, além de mostrar amizades construídas pela cumplicidade de viver em um país diferente, longe da família e dos outros amigos, e também as amizades destruídas pela distância e muitas confusões e mal entendidos. É um livro que esbanja fofura e nos faz morrer de vontade de querer ir para Paris. Alguém quer embarcar comigo?
Fiquei tentando ultimamente pensar porque gosto tando do livro, mas não consigo dar uma resposta completa, são muitos motivos que me fazem amá-lo tanto. Talvez seja devido o momento que eu o li, ou até mesmo pelo simples fato dos personagens não serem idealizados e perfeitos demais, todos enfrentam problemas... St. Clair não é o cara perfeito, longe disso e a Anna também tem suas inseguranças. O que mostra que um príncipe encantado não precisa aparecer para se ter um amor verdadeiro.


Esqueci de falar que a diagramação é mais que perfeita, não me lembro de achar erros gramaticais e tem um ótimo espaçamento.
O livro todo só tem um único problema, e podem acreditar, não está envolvido nem com a história, muito menos com a escritora. E sim com a tradução. Existem algumas traduções que ficaram vagas, devido ser traduzida ao pé da letra, mas diferente do que muitas pessoas reclamaram, não me incomodou tanto e não atrapalhou minha leitura.


Para quem não leu ainda, deem uma chance para essa narrativa tão perfeita! E para aqueles que já leram, tenho uma ótima novidade, recentemente a linda da Stephanie Perkins, disponibilizou no site dela, alguns capítulos/trechos excluídos do original! Querem matar saudade dos personagens? Ler algumas cenas inéditas?  Que tal dá uma passadinha pelo site da autora e dar uma lida? 


* Queria dar os créditos as minhas amigas lindas por toparem tirar fotos com um livro no meio da sala do cinema depois de assistir " Meu namorado é um zumbi", com um monte de gente olhando hahaha. Obrigada Nat ( por segurar o livro), Obrigada Ingrid ( por bater a foto),  e acima de tudo, obrigada por pagarem esse mico um tanto divertido comigo hahahaha




domingo, 27 de janeiro de 2013

Charlotte Street- Danny Wallace


Charlotte Street me surpreendeu. Comprei pensando que era uma história de amor e descobri que não era bem isso que o romance explorava. Mesmo não sendo o que eu esperava inicialmente, o livro me divertiu muito e gostei da leitura.
Fazia tempo que não lia um livro que tinha como protagonista um homem. A história é narrada em primeira pessoa pelo personagem principal: Jason Priestley. 


Jason é um homem com 32 anos que se vê perdido na vida, mora com seu amigo Dev viciado em vídeo games em um apartamento perto do que todos acham que é um bordel mas não é. Abandonou a carreira de professor para tentar ser jornalista e sua ex-namorada o trocou e está preste a se casar. Sua vida estava mais do que perdida. É quando ajuda uma garota, PORQUE SEMPRE TEM UMA GAROTA ,a entrar num táxi  na Charlotte Street, e isso muda totalmente sua vida, pois ela esquece com ele uma câmera fotográfica descartável 35 mm. E esse resolve encontrá-la para devolver.


Jason numa luta para se estabilizar na vida, superar a ex e seguir em frente. Enfrenta várias “aventuras” para encontrar A garota misteriosa da câmera. Junto com seus amigos: Dev, Matt, Zoe, Abbey (Ela foi a minha personagem preferida, adorei-a) ele vai seguindo sua vida. Que torna-se uma história deliciosa, simples e engraçada.
Posso dizer que esse livro não é uma história de amor e sim o começo de uma história de amor. Parece confuso, mas quem ler entenderá o que quero dizer.
Jason vai amadurecendo e junto com ele seus amigos também. Diverti-me muito e torci por todos eles. E para falar a verdade me simpatizei muito com o Jason afinal vivo querendo saber mais das pessoas que esbarro por acaso. Também fiquei com uma vontade enorme de comprar uma câmera descartável e conhecer a Charlotte Street em Londres.


Não tenho nada a comentar sobre diagramação, capa e tradução, estava tudo perfeito. Amor pela Novo Conceito <3
Esqueci de falar que o autor também escreveu “Sim Senhor”, livro que virou filme com o Jim Carrey no elenco. Sendo sincera não gostei muito do filme e quando li na contra-capa do livro que eram do mesmo escritor, fiquei com medo de não gostar da história. Mas gostei muito, então para aqueles que não gostaram de “Sim senhor”, deem uma chance para “Charlotte Street”, agora aqueles que gostaram terão a oportunidade de apreciar mais uma história dele.
E Danny Wallace já assinou com uma produtora de filmes, então provavelmente iremos poder conferir essa história nas telonas haha. Estou aguardando.




E aí alguém já leu? Leriam? O que acharam da história?

segunda-feira, 7 de janeiro de 2013

A hospedeira- Stephenie Meyer


Para começar o post, preciso fazer o meu blábláblá introdutório hahaha (Não reparem).
Não sei o que falar desse livro, mas antes de tudo preciso comentar uma coisa para quem for lê-lo, não desista dele, mesmo que as primeiras páginas sejam complicadíssimas. Para passar da página 150 foi um sufoco, fui enjoando, a história estava tão parada, tudo foi ficando tão monótono... Sendo verdadeira até pensei em abandonar a leitura, mas odeio parar um livro na metade e quando estava preste a colocá-lo na prateleira vi o trailer do filme, a adaptação do livro que lançará nos cinemas em março. Então acho que fiquei empolgada com os 2 minutos de trailer e resolvi dar mais uma chance para a história, continuei lendo e posso dizer que não me arrependo, o livro ficou extraordinário e agora faz parte dos meus livros favoritos!
Fiz uma resenha detalhando o enredo para quem se interessou  e ficou com vontade de ler!


O livro é um romance de ficção cientifica, se passa no ambiente da Terra dominado por alienígenas chamados de “almas”, eles tomaram nosso planeta para tornar o lugar mais pacifico e justo. Porém os invasores para sobreviverem precisam de corpos hospedeiros e eles tomam o nosso corpo e nossa mente e prosseguem as nossas vidas aparentemente sem alteração. Peregrina é uma alma que já viveu em 8 planetas diferentes, está acostumada com os diferentes mundos. É preparada para sua próxima inserção no planeta Terra, porém ao se inserir no corpo hospedeiro, percebe que não está sozinha, Melanie Stryder é uma humana lutadora e não desiste do seu corpo. 



Um corpo e duas mentes. Em uma onda de conflitos, desconfiança e divergências das espécies. Peregrina e Melanie  vão tornando-se amigas, unidas  pelo mesmo desejo de encontrar o amor de Mel, Jared, e seu irmão Jamie. E se existissem vários humanos escondidos nesse território, invadido pelas almas?E se elas encontrassem esse esconderijo?  E se Peregrina se apaixonasse por um dos humanos de lá?
Uma história cheia de reviravoltas, que une sentimentos de traição, amor, família e lealdade. Em que um corpo se apaixona por duas pessoas diferentes. O amor de Melanie pelo Jared, e um amor  sentido pelo personagem Ian por Peregrina, ( super fofo os dois).
Eu torci o livro inteiro pelas duas protagonistas e pelo Ian. Stephenie Meyer  conseguiu escrever algo completamente diferente da saga Crepúsculo e  mesmo assim totalmente inovador quanto à outra trama. Achei que o cenário e os personagens foram muito bem construído, mesmo eu tendo ficado entediada no inicio devido as descrições minuciosas feitas pela autora. 


A parte de diagramação também ficou ótima, porém o livro precisava urgentemente passar por uma revisão, encontrei inúmeros erros ortográficos, nada que atrapalhou o desenvolvimento da história, mas é um saco muitos erros de grafia.   
Concluindo a história é realmente fantástica e recupera valores que andam perdidos na nossa sociedade. Ah, confesso que estou um tanto curiosa para saber como adaptarão para o cinema a história, pois além de o enredo ser bem complexo, as personagens Peregrina e Melanie  fazem parte do mesmo corpo e falam entre si pela mente, como será que farão isso no filme? Deixa eu parar por aqui, antes que solto mais spoilers.

E para aqueles que não gostam de ler, que tal ver o trailer do filme? 



sábado, 17 de novembro de 2012

Mônica e Cebolinha casados?!



Como assim a Mônica e o Cebolinha se casaram? Levei um baita susto quando vi o mangá turma da Mônica jovem n°50-O casamento do século! Confesso que adoro turma da Mônica, tanto que até hoje o meu quarto  é pintado com os meus personagens preferidos da turma! (ô infantilidade a minha hahaha)

Mas não costumo ler turma da Mônica Jovem, li as primeiras edições e não me interessei muito... Porém fiquei louca e super curiosa para saber o que seria desse casamento, afinal convenhamos Mônica e Cebolinha para mim sempre foi “coelhada” na cabeça! Não um pedindo o outro em casamento. Estava preocupada, pois dois dos meus personagens preferidos, eternizados pela suas infâncias deixariam o vestidinho vermelho, os fiozinhos de cabelo espetados e a ingenuidade de lado?

Mas ao ler o mangá  me surpreendi com a história e mudei a minha concepção, eles não se casam no presente (não sei como explicar), o que ocorre é que os “Cupidos de preto” (anjos do amor) utilizam o ”notebook of love”  para ver o futuro da turma, e no futuro a Mônica e o Cebolinha se casam...  Realmente é muito fofo o desenrolar da trama! A história mostra o pedido de casamento,os preparativos, a cerimônia, por fim o dia-a-dia do casal e quando estamos com um gostinho de quero mais a história volta para o presente... hahahaha e os nossos queridinhos voltam a ser os adolescentes de sempre.

Além de super criativo quem não queria ver a Mônica e o Cebolinha juntinhos? Amei a história,  e não podia esquecer de avisar  que mesmo ela se passando  no futuro os personagens continuam com o humor do gibi clássico, Mônica ainda bate no Cebolinha, Magali como sempre não deixa de ser  fascinada por comida e Cascão continua não gostando de água.
Alguém já leu essa edição? Gostaram? O que acharam da capa? A única coisa triste é que é mangá então  os quadrinhos são todos preto e branco. Quem diria que a nossa eterna baixinha, gorducha e dentuça casaria?

segunda-feira, 30 de julho de 2012

O que eu andei lendo


Oiiii!  Só odeio as férias por um motivo, eu me torno uma consumidora compulsiva de livros! E infelizmente eu não posso comprar todos os que eu desejo... Por isso acabo tendo que me contentar com alguns que andei comprando nos últimos tempos! E então para matar o tempo resolvi compartilhar com vocês alguns livros, que andei lendo nessas férias!

1º Pelo mundo da moda- Criadores, grifes e modelos: Tive um surto ao encontrá-lo na feira do livro pela metade do preço! Como o título já diz, Lílian Pacce retrata momentos marcantes na moda do Brasil e do mundo. Comprei porque adoro a autora, ainda não o li inteiro, apenas dei uma folheada, depois conto mais detalhes para vocês!

“Ao reunir diversos de seus artigos e reportagens ao longo das duas últimas décadas, a autora traz à tona momentos marcantes da moda no Brasil e no mundo, de um ponto de vista equilibradamente crítico e único, em flashes que contam um pouco da história dessa arte. A autora revela não somente os bastidores das grandes criações no exterior como também o perfil de modelos de projeção internacional, além de apresentar uma análise do trabalho e da personalidade de estilistas de peso.”

2º O melhor de mim: Escrito por Nicholas Sparks um dos meus escritores favoritos ( vocês já devem saber haha), o romance narra o reencontro de Dawson e Amanda que se apaixonaram vinte cinco atrás. Realmente esse livro é lindo, sou difícil para chorar, e confesso que derramei lágrimas com ele, no meio da história, comecei a desconfiar o que aconteceria no final e mesmo já sabendo fiquei totalmente impressionada! Não vejo a hora de lançar o filme!

“Na primavera de 1984, os estudantes Amanda Collier e Dawson Cole se apaixonaram perdidamente. Embora vivessem em mundos muito diferentes, o amor que sentiam um pelo outro parecia forte o bastante para desafiar todas as convenções de Oriental, a pequena cidade em que moravam. Nascido em uma família de criminosos, o solitário Dawson acreditava que seu sentimento por Amanda lhe daria a força necessária para fugir do destino sombrio que parecia traçado para ele. Ela, uma garota bonita e de família tradicional, que sonhava entrar para uma universidade de renome, via no namorado um porto seguro para toda a sua paixão e seu espírito livre. Infelizmente, quando o verão do último ano de escola chegou ao fim, a realidade os separou de maneira cruel e implacável. Vinte e cinco anos depois, eles estão de volta a Oriental para o velório de Tuck Hostetler, o homem que um dia abrigou Dawson, acobertou o namoro do casal e acabou se tornando o melhor amigo dos dois.”

3°Quando ela se foi: Nunca tinha lido nada do Harlan Coben, “Quando ela se foi” é um romance policial, repleto de surpresas. Não consegui definir se gostei ou não, por mais que ele seja fantástico e que tenha a capacidade de tirar o sono, de nos deixar super curiosos e de fazer sofrermos todos os dramas do personagem, demorei muito tempo para ler e prefiro romances!

‘”Dez anos atrás, Myron Bolitar e Terese Collins fugiram juntos para uma ilha. Durante três semanas, eles se entregaram um ao outro sem pensar no amanhã. Depois disso, eles se reencontraram apenas uma vez, quando Terese ajudou Myron a salvar seu filho. E ela foi embora, sem deixar vestígios.Agora, no meio da madrugada,ela telefona:“Venha para Paris.” Terese pede a ajuda de Myron para localizar o ex-marido, Rick Collins, que telefonara depois de anos implorando que ela o encontrasse em Paris. Eles logo descobrem que Rick foi assassinado e queTerese é a principal suspeita do crime. Mas algo ainda mais atordoante é revelado: perto do corpo havia longos fios de cabelo louros e uma mancha de sangue que o exame de DNA revelou pertencer à filha do casal. Só que sua única filha morrera em um acidente de carro muitos anos antes. Logo Myron se vê perseguido nas ruas de Paris e de Londres. As agências de segurança de quatro países parecem querer as mesmas informações de que ele precisa para desvendar a morte de Rick e o destino da filha que Terese pensava ter perdido para sempre. Em uma busca desesperada, Harlan Coben cria um mundo de armadilhas imprevisíveis em que conflitos religiosos, política internacional e pesquisas genéticas se mesclam a amizade, perdão e a chance de um novo começo.”

4° A escolha: Mais um do Nicholas Sparks! A escolha é um livro lindo, me encantei com os personagens e no decorrer da história fiquei torcendo para que Gabi e Travis, o casal do enredo, ficasse junto e “vivesse felizes para sempre”, mas vocês sabem que o Nicholas sparks não costuma gostar de final felizes... Confesso que teve uma parte do livro que fiquei muito brava e irritada com o autor, prometi que pararia de ler e arremessei o livro longe,ainda bem que continuei a leitura, porque o final é bonito e vale muito a pena! Para aqueles que andam desanimados com o Nicholas assim como eu estava, dêem uma chance para esse romance, tenho certeza que não vão se decepcionar. ( Adorei “A escolha”, porém gostei mais do      “ O melhor de mim” este é muito mais profundo e como já disse me fez derrubar milhares de lágrimas)

”Travis Parker possui tudo o que um homem poderia ter: a profissão que desejava, amigos leais, e uma linda casa beira-mar na pequena cidade de Beaufort, Carolina do Norte. Com uma vida boa, seus relacionamentos amorosos são apenas passageiros e para ele, isso é o suficiente. Até o dia em que sua nova vizinha, Gabby, aparece na porta.
Apesar de suas tentativas de ser gentil, a ruiva atraente parece ter raiva dele. Ainda sim, Travis não consegue evitar se engraçar com Gabby e seus esforços persistentes o levam a uma jornada que ninguém poderia prever.
Abrangendo os anos agitados do primeiro amor, casamento e família, A Escolha nos faz confrontar a questão mais cruel de todas: Até onde você iria manter o amor de sua vida?”

5°Amor fora de hora: Não o li ainda, era para ter lido, mas minha mãe o seqüestrou e acabei esquecendo da sua existência, para ser sincera o comprei por impulso (Estava em promoção e a capa era super bonitinha), depois fui ler algumas resenhas sobre ele e me decepcionei bastante...Bom, ainda não li então não sei o que dizer, mas acho que pelo resumo dá para vocês tirarem suas próprias conclusões!

“UM LUGAR IMPOSSÍVEL PARA O ENCONTRO PERFEITO Uma jovem mulher, amante dos livros, e um rapaz do interior se esbarram repetidamente no cemitério. Um local completamente inusitado para um encontro. Certo dia, um sorriso nasce nos lábios dos dois e eles ficam deslumbrados um pelo outro. É o início de uma paixão irrefreável. Com um romantismo agitado e um humor revelador, este livro combina o choque de culturas com uma história de amor terno e desenfreado.”

6° Em chamas: Lembra que falei que ao acabar de ler “Jogos Vorazes” entrei em desespero para comprar o “Em chamas”? E ao acabar o segundo livro da trilogia, fiquei louca para comprar o último “A esperança”.
Suzanne Collins não decepcionou, “Em chamas é tão bom quanto “Jogos Vorazes”, ele mexe demais com as emoções. Sonhei com a história, não conseguia parar de ler, me pegava pensando nos personagens depois de ter acabado a narrativa, ri nos momentos engraçados, fiquei triste nos momentos angustiantes e minhas mãos suavam todas as vezes que os personagens ficavam em perigo, acho que é um desses motivos que me fizeram amar tanto essa trilogia, o poder da escritora de fazer o leitor conseguir entrar na história! Só fiquei irritada com o final do livro, que nos obriga a ler o último para entender o que aconteceu!

(Aqueles que não leram ainda “Jogos Vorazes”, não leiam o resumo porque pode ter alguns spoilers)

“Depois da improvável e inusitada vitória de Katniss Everdeen e Peeta Mellark nos últimos Jogos Vorazes, algo parece ter mudado para sempre em Panem. Aqui e ali, distúrbios e agitações nos distritos dão sinais de que uma revolta é iminente. Katniss e Peeta, representantes do paupérrimo Distrito 12, não apenas venceram os Jogos, mas ridicularizaram o governo e conseguiram fazer todos - incluindo o próprio Peeta - acreditarem que são um casal apaixonado. A confusão na cabeça de Katniss não é menos do que a das ruas. Em meio ao turbilhão, ela pensa cada vez mais em seu melhor amigo, o jovem caçador Gale, mas é obrigada a fingir que o romance com Peeta é real. Já o governo parece especialmente preocupado com a influência que os dois adolescentes vitoriosos - transformados em verdadeiros ídolos nacionais - podem ter na população. Por isso, existem planos especiais para mantê-los sob controle, mesmo que isso signifique forçá-los a lutar novamente”.

7° Acessórios- Por que, quando e como usá-los: Esse livro foi a melhor aquisição que fiz dos livros de moda que comprei recentemente. Além de ser objetivo,  é bem prático e conta com várias imagens, looks e um ótimo índice geral. Para quem gosta de moda, de se vestir bem e de acessórios,indico esse excelente guia da Titta Aguiar.

“O uso de sandália com meia é bem-visto em que tipo de cenário? Quais as possíveis opções para nó de gravata? Como combinar cores e materiais de diferentes acessórios? Essas e outras dúvidas são esclarecidas nesse livro, que traz ainda capítulos especiais sobre adequação da roupa ao tipo físico, dress-code empresarial (código de apresentação visual dentro das empresas), definição de estilo pessoal, planejamento de guarda-roupa, acessórios masculinos e o estilo típico dos acessórios artesanais brasileiros, tão apreciados no exterior.”

Acho que por hoje é só! Andei comprando outros livros e logo, logo posto para vocês! Beijinhos e desejo para todos que vão começar as aulas, uma ótima semana de aula (:

domingo, 17 de junho de 2012

O que eu andei lendo...


Olá, estava com saudade, andei olhando e percebi que faz bastante tempo que não posto nada do que andei lendo. Então resolvi fazer uma listinha dos últimos 5 livros que li.

1°- Beijada por um anjo:
Sabe aquelas séries para se ler em um dia? Então “Beijada por um anjo” é assim, bem tranqüila, simples e melosa! É um romance bem fofinho,não me envolveu tanto mas conseguiu me distrair. Vou deixar para vocês uma pequena sinopse de capa de livro:

“Ivy sempre acreditou em anjos… Quando ela conhece Tristan, descobre que ele é o amor da sua vida. Quando ele morre, seu coração será quebrado e sua crença em anjos desaparece. E sem essa crença, ela é incapaz de sentir a presença dele, quando ele retorna – como um anjo. Agora, Ivy está correndo um terrível perigo, e Tristan está lutando para salvá-la. Como ele conseguirá protegê-la se ela perdeu a fé em anjos? E se ele conseguir salvá-la, ele terá terminado sua missão aqui na terra e terá que partir para sempre deixando-a para trás. Afinal, Salvar Ivy seria o mesmo que perdê-la justamente quando consegue reencontrá-la? “

2°- Beijada por um anjo 2:
Já que eu comecei ler a série resolvi terminar, e a continuação chama “A força do amor” e para falar a verdade li ele rapidinho, agora quero ler o terceiro porque fiquei meio curiosa para saber o que vai acontecer.

3° Memórias Póstumas de Brás Cubas:
Como ele faz parte da lista da FUVEST, era necessário eu ler. Bom, não tenho o que falar sobre a obra, afinal Machado de Assis é Machado de Assis, apesar da linguagem difícil, eu gostei bastante! E aqui fica uma dica: Para aqueles que não gostam de ler, não se arrisquem a começar a lê-lo.

4° O Cortiço:
Também na lista da FUVEST, “O Cortiço” é um livro naturalista, de Aluísio Azevedo, retrata a vida dos moradores de um cortiço em Rio de Janeiro, com uma linguagem fácil, ele nos traz uma narrativa repleta de personagens que agem pelos seus extintos. Eu já tinha o lido quando estava na oitava série e foi bem maçante ter que lê-lo novamente, porém fiz agora uma leitura bem mais crítica.

5° Jogos Vorazes:
Esse sim, valeu a pena! Eu fui assistir ao filme no cinema e me apaixonei pela história... Resolvi comprar  o livro para ler e adorei ainda mais, ele entrou para a lista dos meus favoritos. O que eu mais gostei, é que é uma história que consegue misturar um pouco de tudo, envolve aventura, com um pouco de romance, suspense, ação, humor... E ao mesmo tempo faz uma ótima crítica à sociedade atual.  Ao ler algumas partes minhas mãos começavam a suar de adrenalina e em vários momentos parecia que estava dentro do livro, senti saudades na hora que acabei de ler e entrei em desespero para comprar a continuação da trilogia o “Em chamas”.

“A história se passa em uma nação chamada Panem, fundada após o fim da América do Norte. Formada por 12 distritos, é comandada com mão de ferro pela Capital, sede do governo. Uma das formas com que demonstra seu poder sobre o resto do carente país é com os 'Jogos Vorazes', uma competição anual transmitida ao vivo pela televisão, em que um garoto e uma garota de 12 a 18 anos de cada distrito são selecionados e obrigados a lutar até a morte. Para evitar que sua irmã seja a mais nova vítima do programa, Katniss se oferece para participar em seu lugar. Vinda do empobrecido Distrito 12, ela sabe como sobreviver em um ambiente hostil. Caso vença, terá fama e fortuna. Se perder, morre. Mas para ganhar a competição, será preciso muito mais do que habilidade. Até onde Katniss estará disposta a ir para ser vitoriosa nos 'Jogos Vorazes'? “
 Realmente esse livro valeu a pena! 

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Semana de Carnaval



Agora que o carnaval acabou, o ano realmente começou! Pois é, enquanto muita gente já voltou ao ritmo eu ainda estou aproveitando essa semana que não tenho aula, para ler alguns livros... Depois que volta a correria do ano, acaba não dando tempo para devorar os lançamentos...
Essa semana, para descansar separei três livros de ficção para ler, depois que eu terminar conto detalhadamente sobre eles.

- Marina: De Carlos Ruiz Zafón

(Estou quase acabando,a história é fascinante fazia um bom tempo que não lia um livro assim, uma narrativa indescritível com um misto de suspense e mistério que me fez devorar o livro.)




 “Em maio de 1980, desapareci do mundo por uma semana. No espaço de sete dias e sete noites, ninguém soube do meu paradeiro. (…) Uma semana depois, um policial à paisana teve a impressão de conhecer aquele garoto; a descrição batia. O suspeito vagava pela estação de Francia como uma alma penada numa catedral de ferro e névoa. O policial me abordou com uma de romance de terror. Perguntou se meu nome era Óscar Drai e se era o rapaz que havia sumido sem deixar rastros do internato onde estudava. (…) Na época, não sabia que, cedo ou tarde, o oceano do tempo nos devolve as lembranças que enterramos nele. Quinze anos depois, a memória daquele dia voltou para mim. Vi aquele menino vagando entre as brumas da estação de Francia e o nome de Marina se acendeu de novo como uma ferida aberta.“





- Um Homem de Sorte: De Nicholas Sparks


( Faz um bom tempo que quero ler esse livro... Primeiro porque passei a ler todos os livros do Nicholas, e depois porque tive ótimas indicações dele.)

“Mas não estava em outra época e lugar, e nada daquilo era normal.Trazia fotografia dela consigo há mais de cinco anos. Atravessou o país por ela.Era estranho pensar nas reviravoltas que a vida de um homem pode dar.Até um ano atrás, Thibault teria pulado de alegria diante da oportunidade de passar um fim de semana ao lado de Amy e suas amigas. Provavelmente, era exatamente isso de que precisava, mas quando elas o deixaram na entrada da cidade de Hampton, com o calor da tarde de agosto em seu ápice, ele acenou para elas, sentindo-se estranhamente aliviado. Colocar uma carapuça de normalidade havia-o deixado exausto. Depois de sair do Colorado, há cinco meses, ele não havia passado mais do que algumas horas sozinho com alguém por livre e espontânea vontade.(...)·Imaginava ter caminhado mais de 30 quilômetros por dia, embora não tivesse feito um registro formal do tempo e das distâncias percorridas. Esse não era o objetivo da viagem. Imaginava que algumas pessoas acreditavam que ele, viajava para esquecer as lembranças do mundo que havia deixado para trás, o que dava à viagem uma conotação poética, prazer de caminhar.Estavam todos errados. Ele gostava de caminhar e tinha um destino para chegar”.


- O futuro da Humanidade: De Augusto Cury

(Bom para ser sincera, eu nunca li Augusto Cury, tenho um pé atrás com livros de auto-ajuda, porém ganhei esse livro de aniversário e consegui vencer a minha barreira, graças a Ideia de que um bom leitor lê de tudo e deve conhecer novos estilos... Depois conto para vocês o que eu achei)

“A emocionante história de um médico e um mendigo em busca de um mundo melhor”






“Esta obra conta a trajetória de Marco Polo, um jovem estudante de medicina de espírito livre e aventureiro como o do navegador veneziano do século XIII, em quem seu pai se inspirou ao escolher seu nome. 
Ao entrar na faculdade cheio de sonhos e expectativas, Marco Polo se vê diante de uma realidade dura e fria: a falta de respeito e sensibilidade dos professores em relação aos pacientes com transtornos psíquicos, que são marginalizados e tratados como se não tivessem identidade. Indignado, o jovem desafia profissionais de renome internacional para provar que os pacientes com problemas psiquiátricos merecem mais atenção, respeito e dedicação - e menos remédios. Acreditando na força do diálogo e da psicologia, ele acaba causando uma verdadeira revolução nas mentes e nos corações das pessoas com quem convive.”








Acho que é só por hoje... Alguém já leu algum desses? Depois que eu ler prometo que escrevo qual eu mais gostei. Até mais!